A EACH ESTÁ EM LUTA! – CARTA DOS ESTUDANTES SOBRE A SITUAÇÃO DA EACH

04 de março de 2016, 13:40

Compartilhe:

Já é conhecido por todos que o campus da USP Leste é o um dos campus mais precarizado da universidade, se não o mais, sendo que a EACH hoje apresenta o menor investimento por estudante na USP. A contaminação do campus é derivada de um processo irresponsável que a reitoria tocou junto ao governo do estado que fez o campus inclusive ser interditado em 2014 e até semana passada ser repleto de tapumes que impediam a livre circulação pelo terreno,  e tal situação mostra pra quem quiser ver que a realidade da comunidade eachiana é bastante complicada.

Hoje desinterditado o campus já se sabe que a contaminação é um risco à saúde de funcionários, professores e estudantes. O antigo diretor da escola, Jorge Boueri Filho, responsável pela contaminação, foi apenas afastado sem processo administrativo pelo reitor, enquanto a mesma reitoria antidemocrática ameaça de expulsão e demissão vários estudantes e funcionários justamente por protestarem contra os vários absurdos cometidos na USP.  Vale ressaltar que o superintendente de espaço físico da reitoria, Osvaldo Nakao, que insiste em dizer que a comunidade não corre risco, mesmo uma série de estudiosos da própria EACH dizendo o contrário, é o mesmo que ridicularizou de forma machista diretoras do DCE e tentou impedir de forma truculenta a realização da festa da calourada unificada desse ano.

Nessa virada de ano, na calada da noite, os campi da capital sofreram mais um ataque da reitoria ao ter o auxílio transporte cortado. O estudantes da EACH em especial vão ser os mais afetados já que o acúmulo dos auxílios moradia e transporte era permitido para os estudantes do campus como forma de reparar a ausência de moradia estudantil.

A EACH é um dos campi onde entram uma maior concentração de estudantes pobres, e onde existe uma maior concentração de estudantes negros (ainda que poucos) em comparação com o conjunto da universidade, e por consequência, é um dos campi onde a permanência estudantil é mais fundamental, chegando ao ponto de mais de um quarto dos quase 4800 estudantes do campus serem bolsistas. Na prática esse corte no auxílio transporte representará uma evasão considerável da universidade e nós não podemos nos calar diante desse absurdo.

Os estudantes da EACH já vem se mobilizando desde a semana de recepção aos calouros contra mais esse absurdo. Já foram realizados atos tanto no campus do Butantã quanto na USP Leste, além de um acampamento de estudantes no campus, para pautar a questão, mas a reitoria insiste em tratar o tema como secundário. No Conselho Universitário do dia 01/03, um dia depois de um ato na SAS onde mais uma vez os estudantes da EACH trataram do tema, o tema dos auxílios não foi nem tocado, sendo o foco principal do conselho a votação de comissões e pró-reitorias onde os únicos candidatos possíveis a serem votados eram de indicação do próprio reitor. A representação discente da gestão manifesta iria ler nessa reunião uma carta redigida pelos estudantes da EACH, mas nem espaço pra falas ocorreram. A falta de democracia da Universidade não tem limites mesmo!

O DCE Livre da USP se compromete e convoca todos os centros acadêmicos e entidades relacionadas a comunidade universitária a se somarem nessa luta, dando todo apoio e solidariedade ativa aos estudantes da EACH e suas movimentações daqui pra frente. A luta da EACH é uma luta da universidade de conjunto, e defender os estudantes precarizados que  perderão o direito de estudar por conta desses cortes é, em ultima medida, defender o caráter público da nossa universidade.

 

  • Essa carta foi aprovada na Assembleia Geral dos Estudantes da EACH do dia 02/03/2016.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *