Folha! Nós não vamos pagar nada!

02 de junho de 2014, 14:37

Compartilhe:

Hoje, a capa do jornal Folha de S. Paulo apresenta que 6 a cada 10 estudantes da USP poderiam pagar mensalidade. Isso como proposta de solução para a crise orçamentária que assombra a universidade desde o começo do ano. A campanha do jornal pelas mensalidades não começa hoje; artigos sobre essa possibilidade vêm sido publicados com frequência, juntamente a textos do ex-reitor Rodas e do atual, Zago.

A USP já é conhecida por ser a universidade mais elitizada do país, com as maiores notas de corte no vestibular e alta concorrência na disputa de uma vaga em seus cursos. Dessa forma, a maioria dos aprovados são aqueles que estudaram em escolas particulares e puderam arcar com um cursinho pré vestibular. Partindo dessa perspectiva, a Folha, então, propõe que sejam cobradas mensalidades para solucionar o problema orçamentário da Universidade. Isso não passa de uma proposta de elitização de uma universidade já elitizada! Assim, os muros da USP aumentam e, cada vez mais, ela se fecha a um seleto grupo de pessoas, perdendo gradativamente seu caráter público.

O orçamento da USP é proveniente da arrecadação do ICMS (Imposto por Circulação de Mercadorias e Serviços), que tem 5% de seu valor repassado à Universidade. A incompetência administrativa da gestão Rodas, no entanto, deixou uma conta significativa para o orçamento da USP, originária de um legado de falta de dinheiro, má distribuição de verbas – muitas das quais aplicadas em áreas não prioritárias para a educação – e outras irregularidades que ainda precisam ser apuradas. Entretanto, não é com cortes orçamentários e mensalidades que isso deve ser resolvido. Este ano, assistimos no Brasil a um verdadeiro espetáculo de inversão de prioridades: montanhas de dinheiro sendo investidos em estádios e isenções fiscais para a FIFA. Na USP, a inversão se repete: enquanto havia 167 professores recebendo supersalários, o reitor anunciava cortes em laboratórios e pesquisa.

O Professor Vladimir Safatle, da USP, colocou em sua coluna no mesmo jornal a ideia de se cobrar IPVA (Imposto sob Propriedade de Veículos Automotores) de helicópteros e aviões, que pasmem, não são taxados. (Como não pagar IPVA: http://www1.folha.uol.com.br/colunas/vladimirsafatle/2014/04/1443523-como-nao-pagar-ipva.shtml). Se a frota de jatos particulares e helicópteros pagassem o imposto, seria possível arrecadar 8 bilhões de reais por ano! Ou seja, dois orçamentos da USP!

É inadmissível que os alunos paguem pela irresponsabilidade das gestões da USP; essa crise que foi causada pela má gestão da universidade não pode cair na conta do estudante. Há muito tempo se luta pela universidade pública, para democratizar o acesso à universidade, por cotas e permanência. É absurdo que em tempos de crise coloque-se como solução elitizar ainda mais a universidade. A Folha quer que quem possa pagar pela USP, pague; ora, então que se aumentem os impostos a grandes fortunas e grandes propriedades. Caso a proposta de cobrança de mensalidades saia do papel, a reitoria e a Folha podem esperar pela maior mobilização estudantil que a USP já viu. Não aceitamos e não vamos pagar nada!

 

One Response to Folha! Nós não vamos pagar nada!

  1. Nicolas Stein disse:

    O dono da folha tem condições de pagar as bolsas que tão faltando pra gente

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *