Ata do Comando de Greve dos Estudantes da USP (28/10)

29 de outubro de 2013, 00:46

Compartilhe:

Cursos e delegados presentes: Biologia (11); Física (7); FAU (12); FSP (6); IGC (2); IAG (2); Medicina (2); Letras (14); Farma (8); His/Geo (8); ECA (17); EEFE (5); Direito (2); RI (2); APG (2); São Carlos (1); Filosofia (4); Psicologia (2); Ciências Sociais(6);

No início do Comando de Greve foi formada a composição da Mesa;
Aconteceram os informes de curso, gerais e de comissões;
Deliberou que haveriam 15 falas de 2 miniutos;
O teto do comando é as 22h30.
Encaminhamentos:
Do que se refere à Negociação com a Reitoria:
Adicionar um novo condicionante à negociação: Garantia de não demolição do Núcleo de Consciência Negra; SINTUSP e CALC.
Que os pontos do Eixo da Repressão que estão sendo negociados sejam feitos por meio de portarias, visto que a reitoria efetivou os ataques ao movimento por meio de portarias;
Que a negociação seja feita no Campus do Butantã.
Do que se refere ao calendário do movimento
Terça-feira 06h – concentração para o Trancaço dos três portões do Campus do Butantã com termino para as 10h30;
Indicar aos demais campis Trancaços e manifestações;
Passagens em sala, após o Trancaço, convidando os estudantes a se incorporarem às atividades da semana;
Indicativos aos cursos que façam atividades locais às 17h;
Quarta-feira 12h – Multirão de Assinaturas da PL de Cotas e debate com os moradores da São Remo na comunidade. Chamar os moradores para o ato às 15h no vão da História e Geografia
15h – Ato com movimento sociais, sindicatos, trabalhadores e professores em apoio ao nosso movimento com chamado aberto a acontecer no vão da História e Geografia;
Divulgação da Assembleia Geral nos Restaurantes Universitários;
Indicativo aos cursos que realizem suas Assembleias.
Quinta-feira Assembleia Geral às 18h, pontualmente; com indicativo de teto para as 22h;
Ato unificado entre USP, UNESP, UNICAMP e Unifesp às 9h no Theatro Municipal. Após o ato acontecerá o Comando de Mobilização Estadual contra a Repressão;
Sexta-feira 10h – Concentração na Reitoria Ocupada para coleta de assinaturas do PL de Cotas na São Remo e debate com a comunidade;
18h – Incorporação à atividade do Coletivo Anastácia com mulheres encarceiradas, referente ao Mês de Consciência Negra, no Espaço Aquário (levar absorventes, produtos de higiene pessoal e etc…);
19h – Reunião de organização da Comissão dos Blocos K e L na Reitoria Ocupada;
Incorporação ao Festival de Futebol “Taça Osso” na praça do relógio para viabilizar a montagem do palco do festival de greve.
Domingo Escancaraço nos portões da USP para realizar o segundo “Domingo no Parque”
Segunda-Feira 18h – Reunião do Comando de Greve Geral na Reitoria Ocupada.

O comando de Greve assina as seguintes moções:
(1) – “Moção de Apoio à Greve e à Ocupação da Prefeitura do campus de São Carlos e apoio às pautas gerais da USP e também amplo apoio às pautas locais que tangem, sobretudo, à reversão dos ataques à permanência e autonomia política e financeira do CAASO.”
(2) – “A EACH- USP entrou em greve no dia 11 de setembro pautando a problemática da contaminação do solo e a luta em torno da democratização e diretas na USP.
A não legitimação do afastamento da diretoria votado por estudantes, professores e funcionários, por parte da reitoria, e o descumprimento de acordos por parte da direção, levaram os estudantes à ocupar a administração da Unidade no dia 02 de outubro, um dia depois da ocupação da reitoria.
Após a orientação da Justiça, que autorizou o uso da força policial para a reintegração de posse, oposta à mesma interpretação da Justiça que negou a reintegração da Reitoria da USP, a tropa de Choque da PM entrou na Universidade e executou a reintegração na manhã do dia 19 de outubro, mesmo as negociações ainda acontecendo.
Embora haja um comprometimento informal da Unidade em não abrir sindicâncias contra estudantes, todos os presentes foram fichados correndo o risco de retalizações.
Repudiamos a postura anti-democrática da Reitoria da USP e da Direção da EACH e o uso de força policial para intervir nos processo de mobilização política e cobramos da Direção da EACH o cumprimento de sua palavra não retaliando os estudantes.”
(3) – “Nós, o Comando de Greve dos Estudantes da USP, mobilizados em torno de pautas concernentes à democratização das Universidades públicas, em seu acesso e estrutura de poder, repudiamos as sindicâncias abertas pela Reitoria e Diretorias da UNESP contra estudantes que protagonizaram uma importante luta por permanência estudantil e também democratização dessa Universidade.
Repudiamos também a ação repressiva da Reitoria e do Governo que se utilizaram de seu aparato repressivo – a Polícia Militar – durante a reintegração de posse e prisão de mais de 100 estudantes.
Considerando todos os métodos utilizados pelos estudantes – greve, ocupações, piquetes – legítimos como ferramentas de obtenção de suas demandas.
Não aceitaremos nenhuma tentativa de criminalização contra aqueles que lutam. Sigamos em luta!”
(4) – “Na última quinta-feira (24/10), a comunidade universitária assistiu indignada a mais um grave ataque ao Núcleo de Consciência Negra (NCN): o núcleo foi fechado com tapumes sob a alegação da retirada de uma árvore de seu terreno. Há muito sabemos que as diversas Reitorias da USP, para além de não reconhecer a existência do NCN, tem buscado incessantemente por fim à sua existência.
Esse ataque não é um ato isolado da gestão autoritária e repressiva de Rodas. Tem o claro sentido de destruir um polo histórico de resistência e luta contra o projeto elitista e racista de Alckmin (PSDB).
O fato dos negros estarem presentes na Universidade nos postos de trabalho mais precarizados e serem minorias entre estudantes e professores é reflexo da sociedade racista a qual vivemos,onde o povo negro é o que mais sofre com a falta de serviços públicos de qualidade,como educação e saúde; bem como com desemprego e a caristía de vida, além do genocídio cotidiano da juventude negra.
Nesse sentido o Movimento Estudantil da USP deve se somar à defesa incondicional do NCN como pólo histórico de resistência do povo negro e de todos aqueles que lutam por uma sociedade livre de racismo e toda forma de opressão e repressão.
Viva o Núcleo de Consciência Negra!”

Referente à comissão de comunicação
– Qua os cursos mandem por e-mail as atividades dos calendários locais para que a comissão de comunicação reúna tudo em um único calendário e divulge juntamente com as datas das demais comissões tiradas pelo Comando;
– Que os materiais da comissão de comunicação não tenham identidade visual de grupos políticos, nem as faixas, nem os panfletos.
– Foram tirados delegados do Comando de Greve responsáveis pela comissão de comunicação, sendo eles: Marcela (CALC); Caio (filosofia); Camila (FAU); Leo (FAU); Ana (FAU); Rodrigo (ECA); Franciel (ECA); Francisco (ECA); Baia (Letras); Mariana Zito (ECA); Babs (Letras); Du (letras); Pedro Vidal (Biologia); Larissa (letras); Amanda (ECA); Maira (Física); Paula (Física); Ariele (letras); Guilherme (C. Sociais); Raul (farma); Tatá (farma); Mateus (C. Sociais); Luciana (Geografia); Felipe Chagas (Letras); Pardal (Letras); Luisa D’Ávola (letras); Guilherme Krans (Letras); João (Filosofia).

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *