Falso Programa de inclusão aprovado sem discussão – Relato do CO

08 de julho de 2013, 21:59

Compartilhe:

No dia 2 deste mês, ocorreu uma sessão do Conselho Universitário (CO) que tinha como principal pauta a proposta de um novo programa de “inclusão social” na universidade. Baseado no atual modelo usado hoje na USP, o INCLUSP, o projeto aprovado ignora completamente as reivindicações dos movimentos sociais e do movimento estudantil, prevendo a já provada ineficiente bonificação as camadas socialmente e racialmente excluídas pelo vestibular.

Com menos de um mês de existência o programa não foi discutido em diversas congregações, menos ainda com o conjunto dos professores, funcionários e estudantes, o que levou ao conjunto da representação discente a defender um pedido de vistas, para que ele não fosse votado naquele momento, e sim após alguma espécie de seminário qualificado – que com certeza a maior universidade do país tem capacidade de fazer. O pedido de vista não foi sequer votado, o reitor Jão Grandino Rodas simplesmente negou o pedido.
Enquanto de maneira nefasta os dirigentes da universidade decidiam rapidamente o futuro de milhares de jovens os estudantes e movimentos sociais realizaram um ato em frente ao Conselho. Lá de dentro nós escutávamos os gritos e palavras de ordem de quem não vai aceitar a falta de democracia, o racismo e a exclusão. O ato chamado pelo DCE-Livre da USP manifestou o completo repúdio a atual reitoria e deixou claro que o que queremos são cotas sociais e raciais, a exemplo do que acontece exitosamente em todo o Brasil, sendo exitoso em todos os lugares.

Sabemos da dificuldade de intervir no CO, por isso os representantes discentes fazem coro aos que gritam por democracia na USP. Iremos nesse caminho até que nossas vozes sejam escutadas lá de dentro, e que os rumos da universidade estejam cada vez em mais mãos. Por isso o segundo semestre de 2013 será memorável: vamos em cada campi, em cada curso gritar bem alto que não vamos nos adaptar a universidade do jeito que está, vamos chacoalhar a USP exigindo eleições diretas para reitor e cotas de verdade!
Quem foi para a rua exigir a revogação do aumento aprendeu que é possível conquistar vitórias, por isso convidamos a tod@s a repetir o que fizemos e ir para as ruas para também conquistar democracia na USP com muita mobilização!

Assinam essa nota os representantes discentes do Conselho Universitário:

Raul Santiago Rosa – Farmácia-Bioquímica
Rafael dos Santos Ferrer (Arroz) – Engenharia Ambiental de São Carlos

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *