Moção de repúdio às músicas opressoras de Rafael Castro

02 de abril de 2013, 19:10

Compartilhe:

Na noite da última Quarta-Feira de Fevereiro, dia 28, se iniciava a Festa da Calourada Unificada da USP, construida pelos Centro Acadêmicos e pelo DCE da USP Alexandre Vannucchi Leme. A festa, assim como toda a programação da Calourada Unificada, tinha o intuito de integrar os estudantes que acabam de entrar na universidade – os calouros – , e também os veteranos, sem a necessidade de atividades e ações opressoras. Essa foi uma preocupação importante na realização de qualquer atividade, levando em conta a compreensão do movimento estudantil da importância do combate às opressôes tanto na universidade, quanto no resto da sociedade.

Ao longo da festa, várias bandas passaram pelo palco. A atração principal, Rafael Castro, foi a penúltima a se apresentar. O conteúdo das apresentações de Rafael Castro era desconhecido pela gestão do DCE. Lamentamos que esses conteúdos tenham sido expressos durante a festa e repudiamos o conteúdo das músicas de Rafael Castro: não somos a favor da apologia ao estupro ou de xingamentos homofóbicos! Ao contrário, nosso esforço se dá no combate cotidiano a essas práticas. Nunca foi este o objetivo da realização do show, pelo contrário.

A gestão Não Vou Me Adaptar tem como parte de seu programa a luta diária contra as opressões, com diversas iniciativas, inclusive chamando a que os estudantes participassem do ato do 8 de Março, que aconteceu na Praça da Sé. Somos veementemente contra a opressão, por entender que nossas diferenças não podem ser uma desculpa para sermos desiguais.

Fazemos um chamado a que o movimento se incorpore com força e unidade na luta contra a opressão para que possamos fortalecer a luta contra o machismo, racismo e homofobia dentro da USP. Por fim, colocamos a importância de que Rafael Castro repense seu repertório.

 

One Response to Moção de repúdio às músicas opressoras de Rafael Castro

  1. […] os holofotes após um show que o cantor fez para a Calourada da USP em 2013, o que motivou uma nota do Diretório Central dos […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *