Nota do DCE-Livre da USP sobre a segurança na Cidade Universitária

19 de maio de 2011, 13:23

Compartilhe:

O Diretório Central dos Estudantes Livre da USP lamenta o ocorrido na noite de ontem, 18 de maio de 2011. Infelizmente, um aluno da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA-USP) foi vítima de violência e faleceu no campus Butantã.

O falecimento do estudante Felipe Ramos de Paiva, aluno do quinto ano do curso de Ciências Atuariais, chocou a comunidade universitária. Nós, estudantes, nos solidarizamos com seus familiares e amigos nesse momento e oferecemos nossas condolências.

Não é de hoje que a Cidade Universitária está sofrendo com problemas de violência; estudantes estão se organizando e clamando maior segurança. O debate sobre a falta de segurança é necessário para que possamos resolver tais problemas o quanto antes e da melhor maneira possível.

Resumir a questão à presença ou não da Polícia Militar no campus serve apenas para mascarar a irresponsabilidade da reitoria e da administração da universidade, que há muito tem sido omissa em relação à questão. Entendemos que é preciso ir além da questão do policiamento ostensivo na Universidade para que o problema seja de fato resolvido. A Polícia Militar não só tem estado presente no campus nas últimas semanas como estava ontem, em horário próximo ao ocorrido (veja também entrevista da Globo com major da PM).

Constatamos e alertamos que a Cidade Universitária possui uma péssima estrutura de iluminação: diversos estacionamentos, ruas e pontos de ônibus são deficientes nesse recurso. Igualmente, alguns lugares são desertos e perigosos mesmo à luz do dia e não possuem nenhum tipo de atenção especial da Guarda Universitária. Outro problema é o serviço de ônibus circular da USP, pois eles passam nos pontos com pouca regularidade e aumentam o tempo de espera nestes locais. E, junto a tudo isto, temos grande área do campus arborizada que não possui manutenção ou segurança para a circulação da comunidade; fora diversos outros problemas.

Ao invés de investir determinados recursos financeiros para sanar esses problemas, a reitoria da universidade gasta 240 Milhões construindo prédios de vidro, centro de convenção, alugando prédios e estacionamentos fora do campus. Acreditamos que está mais do evidente qual deveria ser a prioridade orçamentária da USP.

A Guarda Universitária é alvo de diversas críticas. Seja pela sua falta de preparo ou pelo caráter repressivo, ela não sabe lidar com a comunidade e atuar de forma preventiva. Atua hoje principalmente no sentido de assegurar o patrimônio da universidade, deixando brechas na segurança das pessoas que nela circulam. É necessário que a guarda seja gerida pela universidade e tenha um treinamento com ênfase em Direitos Humanos, principalmente nos casos de violência sexual onde há diversas acusações de descasos por parte da Guarda Universitária.

Para além de medidas imediatas, a Universidade de São Paulo não pode mais fechar os olhos para os problemas sociais que a cercam: hoje é cada vez maior o afastamento da sociedade frente à USP. A população não vê o campus como um espaço de circulação, de lazer, de acesso ao conhecimento livre e troca de experiências. Para resolver essa insuficiência a Universidade não possui projetos de extensão que se preocupem em dar o retorno a sociedade, necessário e que faz parte da função da Educação Publica.

Por fim é fundamental que a direção da USP se responsabilize de fato pelos últimos acontecimentos e tome medidas imediatas no sentido de solucionar o problema: mais iluminação no campus, treinamento e reforço da guarda universitária, aumento do número de circulares etc. Da mesma forma, é fundamental que toda a comunidade universitária se aproprie desse debate para que possamos chegar numa solução para a falta de segurança na Cidade Universitária e nos demais campi e unidades da USP. Exigimos que a reitoria trate do problema de forma aberta e democrática, com amplo debate que envolva toda a comunidade universitária.

Convocamos todas e todos para participar e construir juntos esse debate, precisamos pensar em alternativas sobre este tema nos próximos dias, fique de olho no calendário do DCE.

 

4 Responses to Nota do DCE-Livre da USP sobre a segurança na Cidade Universitária

  1. Gabriel azambuja disse:

    Boa construção e abordagem dos principais temas apontados hoje nas discussões. Agradeço a representatividade.

  2. Fabio Lopes disse:

    Concordo com a maioria das mudanças que devem ser feitas pela Reitoria para melhoria da Universidade. A opinião do DCE é que não se deve resumir a questão à presença ou não da Polícia Militar, mas não seria a presença da polícia não um aliado extra na melhoria da segurança?? Do que é que o DCE tem tanto medo com a presença da polícia no Campus?? Ouço esse discurso há mais de 10 anos e nunca ninguém me respondeu de fato o por que.

  3. Rômulo M. G disse:

    Perfeito! Texto muito bem escrito, elaborado e claro. É exatamente isso que ocorre no campus! Vamos DCE! “Vamo bota essa porra pra funcionar”

  4. […] O falecimento do estudante Felipe Ramos de Paiva, aluno do quinto ano do curso de Ciências Atuariai… […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *